Afundo

Um dos exercícios mais utilizados no treinamento de membros inferiores, o afundo é considerado um dos mais efetivos.

 

Além de ser um exercício multiarticular, o afundo ainda é muito interessante do ponto de vista biomecânico, pois ele proporciona uma excelente alavanca de força. Enfim, vamos avaliar cada ponto do afundo, para que você saiba se está apto a usá-lo e como tirar o melhor proveito disso.

 

Eletromiografia do afundo

 

Existem diversos estudos que buscam comprovar a ação muscular e quais os músculos mais solicitados no afundo. Neste sentido, vamos tomar como referencia três estudos diferentes (Camargo, 2011. Gentil, 2012. Garcia, 2012). Isto por que desta maneira, ficará mais fácil o entendimento do contexto geral. Basicamente, pelo movimento de flexão de joelho e de extensão do quadril na perna da frente e uma leve flexão na perna de trás, o afundo tem ação sobre os músculos do quadríceps e da região posterior. Portanto, o movimento completo, tecnicamente, tem a ativação dos músculos da região do quadríceps, dos isquiotibiais e também do glúteo (levando em consideração ambos os lados).

Mas como simplesmente dizer que ativa tais musculaturas é algo muito vago, e nós sempre queremos oferecer para vocês algo mais relevante, vamos ver alguns estudos que fazem a avaliação eletromiográfica.

Em um estudo de Camargo (2012) ele buscou avaliar a ativação dos músculos do quadríceps, durante diversas variações de agachamento, incluindo o afundo.

Neste estudo, participaram 9 mulheres saudáveis, praticantes de exercícios resistidos. Os resultados deste estudo, comprovaram uma ativação de cerca de 78% dos músculos do quadríceps, tomando como base a perna que vai a frente do corpo. A perna que fica para trás no movimento, tem uma ativação de 45% nos músculos da região do quadríceps.

Já no que se refere a ativação muscular do glúteo máximo, durante o agachamento, em um estudo de Bryanton (2012) citado por Gentil, foram avaliadas as atividades eletromiográficas do músculo em diferentes exercícios. Entre eles o agachamento (90º), o stiff, o afundo e a extensão de quadril em3 apoios. Adivinha qual deles teve a maior atividade sobre o glúteo máximo? Isso mesmo, o afundo, seguido pelo stiff, depois o agachamento em 90º e por último o clássico extensão de quadril em 3 apoios.

Já no estudo de Garcia (2012) o que foi avaliado foi a ativação dos músculos do quadríceps (vasto lateral, vasto medial,vasto intermédio e reto femoral), levando em consideração ambos os lados, portanto, a perna da frente e a de trás. Foi encontrado na perna posicionada frontalmente, o aumento da atividade eletromiográficas correspondente a 50% para o vasto lateral, 54% para o vasto medial e 48% para o reto femoral. O membro posicionado posteriormente apresentou um aumento de 75%para o vasto lateral, 113% para o vasto medial (aumento baseado em estudos anteriores), 62% para o reto femoral e 48% para o vasto intermédio. Por isso, ao contrário do que muitos pensam (principalmente os que nunca fizeram este exercício) a perna situada posteriormente, tem também uma grande ativação (até maior) dos músculos da região anterior (quadríceps).

 

 

artigo-18

 

 

 

 

Execução correta do afundo

 

Sendo tão efetivo como é, o afundo precisa ser muito bem executado. Nem todas as pessoas têm força e equilíbrio para executá-lo, portanto, precisam antes, realizar educativos e fortalecimento muscular.

Basicamente, o afundo deve ser executado da seguinte maneira:

– Inicie em pé, com uma das pernas à frente do corpo, de maneira que quando você flexionar o joelho, ele fique em um ângulo de 90º.

– Agora, flexione o joelho e desça lentamente até que a articulação da frente forme um ângulo de 90º. A perna de trás, fica num ângulo aproximado de 75 a 80º.

– Depois disso, estenda o joelho, até a perto da posição inicial (se voltar completamente para a posição inicial, você entrará em um ponto de descanso).

Caso você realize este exercício de maneira unilateral, fará a execução sem sair do local. Já se você o fizer em forma de “passada”, precisará de um espaço para se deslocar.

“É muito importante que o joelho da perna de trás não bata no chão, pois constantes impactos podem comprometer a saúde do tendão patelar”.

A distancia entre uma perna e outra precisa ser ajustada se o joelho da frente não atingir a angulação de 90º, ou o joelho de trás encoste-se ao chão.

 

 

aritgo-18-2

 

 

 

Variações do afundo e aplicações

 

Um exercício multiarticular como o afundo, permite uma série de variações que podem ser bastante interessantes. Para iniciantes, a simples execução do movimento já faz com que haja uma considerável sobrecarga na musculatura das pernas e dos glúteos. Porém, é necessário que haja uma progressão de carga e de intensidade, para que o exercício não deixe de ser efetivo, devido à adaptação.

A execução mais comum é a com a barra sobre os ombros, com anilhas.

No que se refere ao movimento da linha do quadril para baixo, nada muda. Porém, como a barra fica apoiada sobre os ombros, é importante tomar bastante cuidado com o equilíbrio, para não executar o movimento “balançando”, já que assim, você poderá sobrecarregar os ligamentos laterais de seu joelho. Esta é a maneira mais difícil de executar o afundo e deve ser feita depois de uma progressão de carga e de execução.

A variação com halteres é mais fácil de ser executada e o peso nas mãos ao longo do corpo, pode auxiliar no equilíbrio.

Da mesma maneira, é importante não “balançar” demais. Além disso, quando a execução ficar muito fácil, ao invés de aumentar demais a carga dos halteres (o que sobrecarrega a articulação do ombro) o ideal é partir para a barra com anilhas.

Já no Smith, o movimento fica mais fácil, porém, com menos possibilidades de variação. Como ele vai exigir uma execução unilateral, por motivos óbvios, muitas vezes as pessoas não conseguem manter um bom volume de treino. Também é primordial tomar cuidado com a distancia da passada, pois como já mencionei, se ela não estiver correta, pode sobrecarregar a articulação do joelho de maneira desnecessária.

 

 

artigo-18-c

 

 

Há quem confunda esse exercício afundo com o exercício avanço.

Existem diferenças não só na execução, já que o avanço é feito através de passadas e o afundo sem sair do lugar, como alguns estímulos são diferentes devido a redução de estabilidade no movimento.

 

TOMAS TRIEL

CREF: SP-SP063250G

logo tomas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma pergunta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dra Ritz - © 2015 - Todos os direitos reservados.