Aprenda a comer salada

salada-shitake-emagrecer

Fazer cara feia para a salada, além de prejudicar a sua saúde, impede você de provar um dos pratos mais completos e nutritivos que existem. Bem combinados, os ingredientes de um prato colorido podem até valer por refeição – desde que contenham, além de legumes e verduras, variações de proteínas – como frango desfiado ou atum em conserva.

“Quem não teve o hábito de comer salada na infância, geralmente, sofre para se acostumar a consumi-la na fase adulta”. Mas tem como reverter o cenário e se apaixonar por inventar combinações, testar receitas novas e encantar o paladar. A seguir um time de especialistas dá dicas para você passar a ter mais espaço para a salada no seu prato.

 

Faça combinações

Tem quem diga que as saladas não têm gosto. Contra isso, uma dica é combiná-la com alimentos que você gosta de comer: frango desfiado, atum, ovo, queijo branco, peito de peru e  salmão,  são opções saudáveis e que inclusive deixam a salada mais completa.

Sementes como nozes, castanhas e sementes de gergelim são ricas em gorduras boas, que fortalecem a saúde cardiovascular e dão saciedade. Os grãos como ervilha, grão de bico e soja também podem fazer parte das saladas, pois são ricos em aminoácidos, carboidratos e fibras.

“Outra combinação interessante é acrescentar frutas naturais ou desidratadas à salada”, explica Roseli. Abacate e maçã são possibilidades que agradam vários paladares.

 

Invista em temperos

Há uma infinidade de temperos naturais que podem ser agregados à salada para deixá-la mais saborosa. Recomenda-se o uso de limão, cebola, alho ou especiarias para agregar o prato. “Quem quiser também pode colocar algumas torradas integrais em pedaços para acompanhar”.

Molhos caseiros podem combinar especiarias, azeite, vinagre balsâmico e iogurtes. “Isto enriquece o prato e facilita o consumo, incentivando a pessoa a comer a salada diariamente”. Todas essas alternativas realçam o sabor dos ingredientes sem ameaçar a qualidade nutricional do prato, como acontece com a maioria dos molhos prontos – ricos em sódio, que aumenta a retenção de líquidos, e gorduras.

 

Prepare de outro jeito

Alguns legumes apetecem mais quando cozidos ou refogados. Pense nisso antes de decidir o que vai ser servido cru na salada. “Mas não vale adicionar manteiga ou óleo demais no preparo”.

 

Ralado ou picado

Tem quem se incomode até com a aparência dos alimentos na hora de recusar um prato de salada. Folhas grandes demais, legumes duros e difíceis de mastigar também servem como desculpa para pular o mix de vegetais. “Alimentos ralados ou picados têm a presença e o sabor disfarçado em meio aos outros ingredientes, isso pode servir como um incentivo ao consumo”.

 

Evite sabores fortes

Para quem já não gosta de salada, o gosto forte do pimentão, da berinjela ou da rúcula, por exemplo, pode gerar traumas que amedrontem ainda mais o paladar. “Tomate, alface, vagem, cenoura e palmito são alimentos facilmente ingeridos e mais aceitos”.

 

Família e amigos devem ajudar

Se todos que estão à mesa comem salada, fica mais fácil sentir vontade provar o prato. Comente com os amigos e com a família sua disposição em incluir mais legumes e verduras no prato. Aproveite para pedir companhia e dicas de consumo nesta fase de adaptação.

 

Insista na sua escolha

Você pode rejeitar um legume logo de cara, mas não desista. Muitas vezes, o paladar precisa de mais oportunidades para se acostumar com sabores diferentes. “O ideal é tentar mais de uma vez até ter certeza de que você realmente não tolera algum alimento. experimente variações no preparo e combinações novas antes de recusar, definitivamente, algum sabor”.

Deixe uma pergunta:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Desenvolvido por: