Porque pensamos Magro e Comemos Gordo

A grande falha de comer demais, ou de porque sabotamos elas frequentemente, é que elas dependem da forma consciente do nosso cérebro para gerir comportamentos habituais e impulsivos que são implacavelmente impulsionado por motivações inconscientes. Complicado? Simples – Devíamos pensar antes de comer! Se fosse só isso fácil! O problema é que você está quase sempre motivado para comer muito antes de você pensar sobre.

Comer é uma atividade emocional e emoções obtêm tratamento prioritário no cérebro, até milhares de vezes mais rápido do que o pensamento e linguagem. Antes que você saiba que você está com fome, você já tem um aumento da dopamina, o que o leva a obter mais do mesmo para comer, mesmo sem fome. Você nesse momento já tem uma descarga de adrenalina para incentivar sua busca por alimento.

Mesmo em estágios iniciais de excitação fisiológica, o cérebro tem vontade consciente para substituir essas motivações ocultas, mas poderosas. Você pode fazê-lo às vezes. Mas a longo prazo da vida do dia-a-dia agitada ninguém é que consciente e intencional.

Outra falha na estratégia de “pensar-se magro” é que as emoções que ficam condicionados com comida e fome são persistentes, enquanto a atenção consciente necessária para o controle deles é limitado e esgotáveis. Mais cedo, ou mais tarde, você se cansa do esforço considerável que leva para o controle consciente e cede. O fluxo contínuo de emoções cotidianos inconscientes geralmente vence no final.

 

Como dominar isso?

 

Programas cognitivos para gerenciar o peso, subestimam o problema dos “domínios de passagem.” Este curioso termo significa que o cérebro não costuma acessar informações com experiência em domínios emocionais calmos – como sessões de planejamento de dieta ou terapia – em estados despertados como a raiva ou o impulso de comer demais. Em outras palavras, quando você quer um lanche de fast food, seu cérebro vai nunca acessar uma porção de salada.

A energia emocional tende a crescer mais intensamente com a resistência. Só de pensar, “Eu não acho que eu deveria ter isso“, aumenta o impulso de comer. E se a supressão do impulso agrava, como faz aqueles que se sentem privados de alimentos ou não os merecem ou que se sentem desvalorizados por alguém que diz que eles não deveriam tê-lo, a motivação cresce ainda mais forte, até o ponto onde ele parece que só comer vai acalmá-lo, aí entra o vício por comer – compulsão.

Por outro lado, as informações sobre a gestão da raiva, e as técnicas de gestão de peso (dietas) residem  no mais lento “cérebro a pensar“, que sabe que, apesar das suas deficiências como um lanche, a salada  é boa  para você. É improvável que ocorra isso a você. Esta informação cerebral antes de comer acalma a excitação de seu sistema límbico.

O sucesso do controle consciente de emoções como vergonha é severamente limitado pela natureza inconsciente das funções biológicas. Nós primeiro experimentamos vergonha como uma queda na energia, com alguma confusão mental e menor desconforto físico. Há também um ligeiro enfraquecimento dos músculos do pescoço, o que o torna um pouco mais difícil para manter sua cabeça erguida. (É por isso que olhamos para baixo quando estamos com vergonha de algo). Neste ponto, você ainda desconhece qualquer vergonha em tudo. Você acabou de se sentir um pouco menos alerta e mais cansado; você tem uma sensação mais pesada em sua cabeça e tem que trabalhar mais para se concentrar ou até mesmo pensar. Então o que você quer quando essas coisas acontecem?

A energia instantânea e clareza da raiva ou um sundae de chocolate! Os seus programas de gestão de peso têm treinado você falhar ao associar o impulso de comer com vergonha, ao invés de seu valor fundamental, reforçando, assim, o ciclo de feedback de desgraça da dieta.  A melhor maneira de superar o problema de passagem de domínios é condicionar pistas de um domínio com sugestões do outro. Ou seja…

 

“use dicas de pensar magro”

 

Deixe uma pergunta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dra Ritz - © 2015 - Todos os direitos reservados.