O consumo de frutas durante a gestação

A maioria das pessoas já ouviu que o consumo diário de frutas pode reduzir o risco de uma ampla variedade de condições de saúde, como a doença cardíaca e o acidente vascular cerebral. Mas agora um novo estudo está mostrando que os benefícios da fruta podem começar tão cedo quanto no útero.

O estudo, publicado na revista EbioMedicine, mostrou que as mães que consumiam mais frutas durante a gravidez deram à luz a crianças que tiveram melhor desempenho em testes de desenvolvimento com um ano de idade. Piush Mandhane, autor sênior do estudo e professor associado de pediatria na Universidade de Medicina e Odontologia de Alberta, fez a descoberta usando dados do estudo Canadian Healthy Infant Longitudinal Development (CHILD) – um estudo de coorte de nascimentos em todo o país, envolvendo mais de 3.500 crianças canadenses e suas famílias. Mandhane chefia o estudo referente à localidade de Edmonton.

“Queríamos saber se podíamos identificar quais os fatores que afetam o desenvolvimento cognitivo”, explica Mandhane. “Descobrimos que um dos maiores preditores de desenvolvimento cognitivo foi o consumo de frutas das gestantes. Quanto maior o seu consumo, maior o desenvolvimento cognitivo de sua criança.”

No estudo, os investigadores examinaram dados de 688 crianças de Edmonton, controlando fatores que normalmente afetam sua aprendizagem e desenvolvimento, tais como renda familiar, escolaridade paterna e materna e idade gestacional (da criança).

Utilizando-se uma escala tradicional de QI como modelo, o QI médio é 100 e o desvio padrão é de 15; dois terços da população ficam entre 85 e 115. O estudo de Mandhane mostrou que se as mães grávidas comiam seis ou sete porções de frutas (ou de seu suco) por dia, em média, os seus bebês com um ano de idade ficavam em seis ou sete pontos a mais na escala.

“É uma diferença substancial: a metade de um desvio padrão”, explica Mandhane. “Nós sabemos que quanto mais tempo uma criança está no útero, mais ela se desenvolve. E a presença de um adicional de fruta por dia na dieta da mãe fornece a seu bebê o mesmo benefício como se ele tivesse nascido uma semana mais tarde.”

Para o aprofundamento de sua pesquisa, Mandhane se uniu com François Bolduc, um professor adjunto na Faculty of Medicine & Dentistry’s Division of Pediatric Neurology, que pesquisa a base genética da cognição em humanos e moscas da fruta. Ambos os pesquisadores acreditam que a nova abordagem que combina modelos pré-clínicos com a análise epidemiológica pode fornecer novas informações úteis sobre o futuro da investigação médica.

“As moscas são muito diferentes dos seres humanos, mas, surpreendentemente, elas têm 85% dos genes envolvidos no funcionamento do cérebro humano, tornando-as um excelente modelo para estudar a genética da memória”, conta Bolduc. “É excepcional melhorar a memória em indivíduos sem a mutação genética, e por isso ficamos extremamente interessados em compreender a correlação observada entre a ingestão de frutas no período pré-natal e o aumento da cognição.”

De acordo com Bolduc, moscas de fruta têm um longo histórico em matéria de aprendizagem e memória. Vários genes conhecidos como necessários para a memória da mosca foram agora descobertos estarem envolvidos na deficiência do intelecto e autismo (por Bolduc e outros). Em uma série subsequente de experimentos, ele mostrou que as moscas nascidas após serem alimentadas com maior quantidade de suco de frutas tinham significativamente melhor capacidade de memória, semelhante aos resultados apresentados por Mandhane com crianças de um ano de idade. Ele acredita que isto sugere que a função do cérebro afetada por frutas e seus mecanismos envolvidos foram mantidos através da evolução e conservados entre as espécies.

Embora os resultados são encorajadores, Mandhane adverte moderação por causa de potenciais complicações, como diabetes gestacional e peso elevado na natalidade – condições associadas com o aumento da ingestão de açúcares naturais -, que não foram totalmente investigadas. Em vez disso, ele sugere que as gestantes não deixem de consumir a recomendação diária de frutas e consultem com seus médicos.

Mandhane também diz que vai continuar o trabalho, com planos para examinar se os benefícios do consumo de frutas no período pré-natal persistem em crianças ao longo do tempo. Ele também gostaria de determinar se a fruta pode influenciar o desenvolvimento infantil relacionado com as áreas do funcionamento executivo – como planejamento, organização e memória de trabalho.

Deixe uma pergunta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dra Ritz - © 2015 - Todos os direitos reservados.