Como o parto e a amamentação podem impactar a saúde do bebê

 

Nosso sistema digestivo é o lar de cerca de 100 trilhões de bactérias comumente referido como microbioma intestinal. Um novo estudo de 98 crianças suecas durante seu primeiro ano de vida encontra uma conexão entre o desenvolvimento do microbioma intestinal e a forma como o bebê nasce e é alimentado. Enquanto o parto vaginal significou maior similaridade bacteriana entre mãe e filho, a decisão de amamentar também impactou a constituição do microbioma intestinal do bebê e assim a sua saúde.

 

As bactérias do intestino fazem uma contribuição inestimável para o nosso metabolismo, ajudando-nos a quebrar os carboidratos complexos e amidos. Também desempenham um papel crucial no desenvolvimento do nosso sistema imunológico e até mesmo produzem vitaminas e hormônios que direcionam o armazenamento de gorduras. Estas razões sugerem aos cientistas que a microbiota intestinal funcione como um órgão, e como tal, estabelece uma base para o nosso metabolismo, imunidade e, possivelmente, até mesmo para o nosso comportamento.

 

Tomadas em conjunto, estas bactérias pesam aproximadamente até 2.200kg e o número total de genes nessas várias espécies de bactérias superam nossos genes humanos. Só recentemente com o advento das tecnologias de sequenciamento genético que o microbioma e seu impacto se revelaram sobre a nossa saúde mais plenamente.

Crucialmente, as bactérias colonizam nosso intestino, sendo que os primeiros moradores tornam o ambiente geral mais hospitaleiro para eles próprios e mais hostil para aqueles que vêm depois. A maneira como o intestino é colonizado em nossos primeiros dias de vida é, portanto, fundamental para a nossa saúde futura.

 

Para o estudo atual, os pesquisadores da Universidade de Gotemburgo (Suécia) e do Beijing Genomics Institute (China) aplicaram a análise metagenômica em amostras fecais de 98 crianças e suas mães ao longo do primeiro ano de vida, a fim de avaliar o impacto do tipo de parto e alimentação no estabelecimento da microbiota intestinal. O que descobriram reafirmou as investigações passadas nesta área.

Como se esperava, os primeiros colonizadores bacterianos são derivados da mãe. É importante ressaltar que os microbiomas de bebês nascidos de parto normal apresentaram maior semelhança com suas mães do que os bebês de cesariana (seção-C). No entanto, os bebês seção-C ainda receberam alguns dos micróbios de sua mãe, transmitidos através da pele e boca.

 

Em seguida, os pesquisadores observaram a forma como a população bacteriana mudou dependendo do que cada criança comeu. A decisão entre amamentar ou dar mamadeira foi fundamental, pois a nutrição é um dos principais motores do desenvolvimento do microbioma intestinal infantil. O fim da amamentação é um momento-chave no processo de maturação do intestino. Certos tipos de bactérias prosperam nos nutrientes que o leite materno fornece e uma vez não mais disponíveis, as outras bactérias que surgem são mais comumente vistas em adultos.

“Nossos resultados sugerem fortemente que a cessação da amamentação ao invés da introdução de alimentos sólidos é o grande impulsionador no desenvolvimento de uma microbiota adulta”, escreveram os autores na sua conclusão.

Deixe uma pergunta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido por: