Quanto menos você Dorme, mais você Come

Os fatores que influenciam a ingestão de alimentos são, e continuarão a ser, um assunto muito disputado. Um novo estudo publicado na revista SAGE, Journal of Health Psychology (JHP), sugere que o sono interrompido pode ser um fator contribuinte para a ingestão excessiva de alimentos e, portanto, levar a danos crônicos para a saúde em longo prazo em adultos e crianças.

Em uma edição especial sobre alimentos e dietas, o estudo explora como uma má noite de sono – algo que afeta milhões de pessoas em todo o mundo – pode afetar os hábitos e comportamentos alimentares.

Embora seja bem conhecido que uma má noite de sono pode afetar nossa capacidade de executar tarefas diárias, o que é menos conhecido é como o sono quando perturbado pode influenciar tanto as escolhas alimentares quanto a ingestão.

“É bem reconhecido que a ingestão de alimentos está implicada em diversos problemas de saúde crônica incluindo a obesidade, diabetes e doenças cardíacas, e a dieta é frequentemente alvo de tratamentos para prevenir o aparecimento destas condições,” comentaram os investigadores Alyssa Lundahl e Timothy D. Nelson da Universidade de Nebraska- Lincoln, EUA. No entanto, eles continuaram: “compreender os mecanismos que ligam os padrões do sono de má qualidade ao aumento da ingestão de alimentos é importante para informar ambas as intervenções de prevenção e tratamento para condições crônicas de saúde”.

A ingestão de alimentos é impulsionada por fatores biológicos, emocionais, cognitivos e ambientais. Embora seja importante considerar a dieta no tratamento para distúrbios crônicos de saúde associados com a ingestão de alimentos, um olhar mais atento deve ser dado à forma como o sono afeta esses fatores. Lundahl e Nelson argumentam que esses mecanismos são fortemente alterados e influenciados por padrões de sono. Por exemplo, depois de uma noite mal dormida, o hormônio que controla o apetite é afetado, o estresse emocional é maior, mais alimento é desejado para compensar a falta de energia e a impulsividade aumenta, os quais afetam a quantidade de alimento que você consumiria em um dia. Eles concluem:

“Psicólogos de saúde devem estar atentos à ligação entre o sono e o comer, e o padrão de sono deve ser ativamente considerado nos esforços para modificar o comportamento alimentar.”

O Dr. David Marks, editor de JHP, declarou: “A pesquisa estimulada por Lundahl e Nelson tem implicações importantes para os tratamentos de condições de saúde, muitas vezes tratados com intervenções dietéticas e ilustra a necessidade de investigação para examinar empiricamente os mecanismos subjacentes da ingestão de alimentos. É importante para as pessoas estarem conscientes das conclusões deste estudo para que, no caso de sofrerem de falta de sono, serem capazes de tomar mais cuidado ao considerar a qualidade e quantidade de alimentos que estão consumindo”.

Deixe uma pergunta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido por: